Entre matar aliados ou deixar de acariciar um cãozinho, veja quais maldades que só um sem coração pode fazer num game

Os videogames são a fantasia definitiva, permitindo que você se torne alguém que nunca poderia ser no mundo real. Isso significa um herói superpoderoso ou um atleta algumas vezes, mas também pode significar um maníaco genocida que está isento da lei. Os videogames nos permitiram fazer grandes maldades ao longo dos anos, e algumas delas são imperdoáveis, mesmo que no mundo dos games. 

Acompanhe que coisas más que todos nós fizemos nos videogames, mas que não teríamos coragem (e nem deveríamos ter!) de fazer na realidade.

Super Mario 64 – Jogar o Pinguim da Montanha

Em algum momento, todo mundo que jogou Super Mario 64 encontrou o pinguim perdido e, em vez de levar o pinguim de volta para sua mãe como deveria, jogou-o do lado da montanha nevada para sua destruição (e não adianta mentir dizendo que nunca fez). Por que fizemos isso? Talvez esse era o teste definitivo para saber se pinguins voam. Infelizmente a conclusão é negativa. Pobre pinguin.

Super Mario World – Deixar Yoshi cair para a morte

É fácil esquecer que “Yoshi” não é realmente um único personagem, mas sim um grupo de adoráveis ​​​​criaturas de dinossauros. Para Mario, no entanto, eles são descartáveis. Se você precisa de provas, considere o que todos nós fizemos em Super Mario World: saltamos das costas de Yoshi para dar um salto difícil, sacrificando-o no processo. Havia outros Yoshis que nos ajudariam, sem saber o que havíamos feito com seus irmãos caídos. Mario certamente não se importou, mantendo seu mesmo comportamento alegre enquanto se aproximava de Bowser. Mas no processo, Mario (e nós) nos tornamos o vilão.

GTA V – Atropelar pessoas inocentes

Vários jogos diferentes de Grand Theft Auto podem estar nesta lista, é claro, mas nenhum oferece um mundo maior para espalhar o mal do que Grand Theft Auto V. O produto de entretenimento de maior sucesso de todos os tempos também é um terreno fértil para o mal puro. Entre em qualquer veículo e comece a dirigir na calçada para matar dezenas, senão centenas, de pessoas aleatórias. Eles tinham famílias. Eles tinham esperanças e sonhos. E agora, eles têm seu sangue derramado pelas ruas de Los Santos. Como em Halo, há uma consequência para a matança indiscriminada, já que a polícia vai caçar você com tudo, desde cruzadores a helicópteros, mas não é tão difícil escapar e ir para outra matança.

Watch Dogs 2 – Não acariciar os cães

Temos uma pequena confissão a fazer sobre esta maldade em particular: Na verdade, não nos qualificamos para isso. Nós não somos realmente maus o suficiente para evitar acariciar os cães em Watch Dogs 2. Na verdade, nós acariciamos todos os cães que pudéssemos encontrar, provavelmente estendendo o tempo de execução total do jogo em três ou quatro vezes o que deveria ter sido. 

Mas existem algumas pessoas verdadeiramente hediondas e sádicas por aí que optam por ignorar os cães, apesar de suas cabeças serem tão perfeitamente fofinhas e macias. Eles os ignoram, apesar de seus rostos serem a coisa mais fofa que você já viu. Podemos viver com um tiro acidental em alguém enquanto completamos uma missão, mas perderíamos o sono por não acariciar um cachorro.

Crusader Kings 3 – Ordenar o assassinato de uma criança

Crusader Kings 3 é essencialmente a história de aventura mais elaborada que você poderia imaginar, permitindo que você governe uma nação e a transforme em um vasto império enquanto microgerencia tudo, desde impostos e defesas até os casamentos de sua própria família. Mas ao lado das coisas acima da mesa, você também pode ser um monstro absoluto. Tomemos, por exemplo, seu poder de ordenar o assassinato de líderes estrangeiros – mesmo que sejam bebês literais. Fazer isso cria um “segredo” que pode ser exposto mais tarde e colocar sua carreira política em risco, mas também há uma boa chance de você simplesmente ter um bebê assassinado e se safar.

Zelda – Atacar as Galinhas

Jogue Zelda por uma ou duas horas e você saberá que não deve atacar as galinhas. Ao contrário da maioria dos outros atos malignos em nossa lista, este realmente vem com consequências terríveis. Claro, você pode cortar sua espada nas galinhas vagando nas cidades pacíficas dos jogos Zelda, mas faça isso demais e você enfrentará a ira de um enorme enxame de aves. 

Não está claro exatamente por que a Nintendo decidiu que esse era o ato maligno que não poderia ficar impune, mas essa punição é universal. Em The Legend of Zelda: Breath of the Wild, você pode enganar os inimigos para que batam nas galinhas, usando seus novos aliados involuntários como um esquadrão de assassinato pessoal.

The Sims – Remover a escada da piscina enquanto alguém está nadando

The Sims oferece controle quase total sobre a vida de seus personagens virtuais, e isso inclui a capacidade de matá-los de maneiras criativas. Uma das técnicas clássicas que praticamente todos fizemos é a “escada que desaparece”. Depois que um de seus sims entrar na piscina para um mergulho relaxante, você entra no editor e remove a escada da piscina. Isso os torna incapazes de sair, resultando na morte deles – talvez depois de fazer cocô nas calças. Claro, é uma coisa covarde de se fazer, mas é algo interessante de fazer com aquele personagem chato que trata mal todos ao redor (mas só no jogo, ok?).

Undertale – escolher a rota genocida (CONTÉM SPOILER)

Undertale pode ser um jogo super fofo, com grandes lições de moral e de bons valores. Porém, se você escolher lutar contra tudo o que aparecer na sua frente fique preparado para aguentar as consequências. A escolha da rota genocida é quando você simplesmente decide acabar com a vida de tudo o que cruzar com o seu caminho, inclusive seus amigos e as pessoas que querem te ajudar. Tem uma pegada bem psicopata, se formos reparar. Além disso, quando você decide zerar o game duas vezes seguida pelo caminho da maldade, o game te apresenta um final secreto, e se só se você não tem nem um pedacinho de coração aí dentro pra não se sentir mal por esse final.

BÔNUS: Tamagotchi – Deixando morrer de fome

Há uma linha tênue entre a negligência e o mal, e o Tamagotchi nos ajudou a passar por cima disso em um ponto ou outro. Como parte da tendência de bichinhos virtuais dos anos 90 e início dos anos 2000, esse pequeno dispositivo portátil chegou a muitos bolsos. Cuidar de um animal de estimação parece uma atividade divertida de se fazer no começo, mas depois você percebe que é quase impossível manter a coisa viva e ainda manter qualquer tipo de vida fora dela. 

Porém, depois de prometer ser legal com a criatura por duas horas, todos nós tiramos uma soneca. E nesse tempo, esse bebezinho digital conseguiu morrer de fome. Ia acontecer mais cedo ou mais tarde, então não se sinta tão mal por isso. Aliás, o Tamagotchi ainda existe e é produzido pela Bandai Namco em uma versão bem mais atual.

Mas e você, lembrou de algum outro ato imperdoável de maldade que pode ser feito nos games? Comenta aqui com a GAMER_na_real! Deixando claro que nós não incentivamos nenhum tipo de violência ou atos maldosos!

Subscribe
Notify of
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
0
O que achou desta notícia? Comente...x